domingo, maio 16, 2010

44.º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS



O sacerdote e a pastoral no mundo digital: os novos meios a serviço da Palavra.




O Papel principal do sacerdote é anunciar a Palavra de Deus que se fez carne, homem, história; se tornando, de tal modo, sinal desta comunhão que Deus realiza com o homem. A eficácia deste ministério requer, contudo, que o sacerdote viva uma relação íntima com Deus, radicalizando-se num amor profundo e numa consciência viva das Sagradas Escrituras, "testemunho" em forma escrita da Palavra divina.
A mensagem pela 44ª Jornada Mundial das Comunicações Sociais quer convidar, de modo particular, os sacerdotes, no período deste Ano Sacerdotal e depois a celebração da XII Assembléia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, a considerar os novos meios de comunicação como uma grande possibilidade de fonte para o seu ministério ao serviço da Palavra e quer dizer uma palavra de encorajamento afim que afrontem os desafios que nascem da nova cultura digital.
Os novos meios, de fato, se conhecidos e valorizados adequadamente, pode oferecer aos sacerdotes e a todos os agentes pastorais uma riqueza de dados e de conteúdos que antigamente eram de difícil acesso e facilitando formas de colaboração e de crescimento de comunhão inimaginável no passado. Graças aos novos meios, quem prega e anuncia o Verbo da vida pode chegar com as palavras, sons e imagens - verdadeira e específica gramática expressiva da cultura digital - a pessoas individualmente e a inteiras comunidades em cada continente, para criar novos espaços de conhecimento e de diálogo, chegando a propor e a realizar itinerários de comunhão. Se utilizados sabiamente, com a ajuda de profissionais em tecnologia e cultura de comunhão, os novos meios de comunicação poderão, assim, se tornarem para os sacerdotes e para todos os agentes pastorais um valioso e eficaz instrumento verdadeiro e profundo de evangelização e comunhão. Serão uma nova forma de evangelização para que Cristo avance pelos caminhos das nossas cidades e nas soleiras de nossas casas: "Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, eu entrarei na sua casa e tomaremos a refeição, eu com ele e ele comigo." (Ap 3, 20)

FONTE:

sábado, maio 15, 2010

A Ascensão do Senhor (7º Domingo de Páscoa)



O acontecimento
Esta solenidade foi transferida para o 7º  domingo da Páscoa desde seu dia originário, a quinta-feira da 6º semana de Páscoa, quando se cumprem os quarenta dias depois da ressurreição, conforme o relato de São Lucas em seu Evangelho e nos Atos dos Apóstolos; mas continua conservando o simbolismo da quarentena: como o Povo de Deus esteve quarenta dias em seu Êxodo do deserto até chegar à terra prometida, assim Jesus cumpre seu Êxodo pascal em quarenta dias de aparições e ensinamentos até ir ao Pai. A Ascensão é um momento mais do único mistério pascal da morte e ressurreição de Jesus Cristo, e expressa sobretudo a dimensão de exaltação e glorificação da natureza humana de Jesus como contraponto à humilhação padecida na paixão, morte e sepultamento.
Ao contemplar a ascensão de seu Senhor à glória do Pai, os discípulos ficaram assombrados, porque não entendiam as Escrituras antes do dom do Espírito, e olhavam para o alto. Aparecem dois homens vestidos de branco, é uma teofania, a mesma dos dois homens que Lucas descreve no sepulcro  (24,4). Neles a Igreja Mãe judaico-cristã via acertadamente a forma simbólica da divina presença do Pai, que são Cristo e o Espírito. As palavras dos dois homens são fundamentais: Galileus, o que fazeis aí plantados olhando para o céu? O próprio Jesus que vos deixou para subir ao céu, voltará como vistes marchar (Atos 1,11). Em um excesso de amor semelhante ao que o levou ao sacrifício, o Senhor voltará para tomar os seus e para estar com eles para sempre; e se mostrará como imagem perfeita de Deus, como ícone transformante por obra do Espírito, para nos tornar semelhantes a ele, para contemplá-lo tal como ele é  (1 João 3,1-12). Contemplando na liturgia o  ícone do Senhor – sobretudo na  Eucaristia - intuomos o rosto de Deus tal como é e como o veremos  eternamente. E o invocamos para que venha agora e sempre.
No relato deste mistério segundo o Evangelho de São Mateus (28,19-20), o Senho envia os discípulos a proclamar e realizare a salvação, segungo o triplo mistério da Igreja: pastoral, litúrgico e magisterial: Ide e fezei discípulos de todos os povos (pelo anúncio profético e o governo pastoral, formando e desenvolvendo a vida da Igreja), batizando-so em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo (aplicando-lhes a salvação, introduzindo sacramentalmente na Igreja); e ensinando-os a guardar tudo o que vos mandei (mediante o magistério apostólico e a vida na caridade, o grande mandamento). O Plano de Deus está sendo cumprido, e a salvação, anunciada primeiro a Israel, é proclamada a todos os povos. Nesta obra de conversão universal, por longa e laboriosa que possa ser, o Ressuscitado estará vivo e operante em meio dos seus: E sabei que eu estou convosco todos os dias até o final dos tempos.
O mistério
A leitura apostólica que a Igreja propõe interpreta perfeitamente o acontecimento da Ascensão do Senhor, adentrando-nos no mistério do ressuscitado no santuário celeste. Agora podemos dizer com o canto do Santo que os céus e a terra estão cheios da glória de Deus (Em Isaías 6,3 só se nomeava a terra). Agora, com a ascensão da humanidade do Filho de Deus, comemorada no mistério litúrgico, sobre a qual repousa a glória do Pai, adorada pelos anjos, também nós somos unidos pela graça a este eterno louvor, no céu e na terra. Estamos no penúltimo momento do mistério pascal, antes da doação do Espírito Santo ao se completarem os cinqüenta dias, o Pentecostes.
A vida cristã
As oraçõs desta solenidade pedem que permaneçamos fiéis à dupla condição da vida cristã, orientada simultaneamente às realidades temporais e às eternas. Esta é a vida na Igreja , comprometida na ação e constante na contemplação. Porque Cristo, levantado no alto sobre a terra, atraiu para si todos os homens; ressuscitando dentre os mortos enviu seu Espírito vivificador sobre seus discípulos e por ele constituiu seu Corpo que é a Igreja, como sacramento universal de salvação; estando sentado à direito do Pai, sem cessar atua no mundo para conduzir os homens à sua Igreja e por Ela uni-los assim mais estreitamente e, alimentando-os com seu próprio Corpo e Sangue, torná-los partícipes de sua vida gloriosa. Instruídos pela fé sobre o sentido de nossa vida temporal, ao mesmo tempo, com a esperança dos bens futuros,  realizamos a obra que o Padre nos confiou no mundo e lavramos nossa salvação (Vaticano II, Lumen gentium 48).

sexta-feira, maio 14, 2010

CONGRESSO EUCARíSTICO NACIONAL


Visite o site especial do CONGRESSO EUCARíSTICO NACIONAL :  www.cen2010.org.br


Fé e adoração em missa campal levam 45 mil fiéis à Esplanada no primeiro dia de encontro


Emoção, fé e júbilo marcaram a abertura do 16º Encontro Nacional Eucarístico, cuja celebração teve início ontem. No primeiro dia de encontro, o evento católico reuniu cerca de 45 mil fiéis na Esplanada dos Ministérios para celebrar o santíssimo sacramento. Muita gente chorou com a chegada de helicóptero da imagem de Nossa Senhora de Fátima, que veio de Portugal e está no Brasil desde o dia 13 de abril. Outro momento emocionante foi o pronunciamento do Papa Bento XVI, diretamente de Roma. Ele mandou uma mensagem gravada aos fiéis pedindo que “a comunidade cristã cultive a espiritualidade eucarística e o sacrifício pessoal” e construa sociedade mais justa.

Dois mil padres e 300 bispos de todo o Brasil, além do governador Rogério Rosso (PMDB), a primeira-dama, Karina Rosso, e o vice-presidente da República José Alencar, participaram do congresso eucarístico, que termina no domingo próximo. A expectativa é que, até lá, 300 mil fiéis de todos estados cheguem a Brasília. José Belchior, 62 anos, saiu de Osasco (SP) só para participar do encontro. A viagem durou 16 horas, mas ele não se arrependeu de passar tanto tempo dentro de uma van para chegar até a capital federal. “Todo mundo voltará maravilhado, com certeza. A bênção derramada nesse congresso é muito grande”, disse, carregando a bandeira do Sagrado Coração de Maria.

Em uma cadeira de rodas e de touca para se proteger do frio, a aposentada Maria Fernandes do Nascimento completou 90 anos nesta quinta-feira, e feliz da vida. Ontem também foi o dia de comemoração de 93 anos da aparição de Nossa Senhora de Fátima a três crianças, em Portugal. Em 1917, a santa pediu que todos rezassem o terço todos os dias. “Estamos comemorando com graça, em graça e num lugar de bênção o aniversário da minha mãe. Ela não poderia receber um presente melhor”, disse a filha Ana Gadelha, 50 anos.

Nos três dias de encontro serão realizados simpósios, missas, atividades culturais e vigília para jovens (veja programação). O encontro comemora o cinquentenário da cidade e também os 50 anos da arquidiocese de Brasília. “É a comemoração do júbilo de ouro”, explicou o padre André Lima, coordenador da comissão de comunicação do evento. O Congresso Eucarístico ocorre a cada cinco anos. No Brasil, ele foi celebrado pela primeira vez na Bahia, em 1933, e Brasília só recebeu uma edição do evento em 1970. A penúltima foi realizada em Florianópolis, em 2005.


Programação

Hoje
Simpósio teológico e de bioética: conferências, oficinas e painel de debates.
Horário: 8h às 17h.
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Santa missa, palestras e momento artístico
Horário: 8h às 17h.
Local: Ginásio Nilson Nelson.

Celebração em rito católico oriental ucraniano
Horário: 10h
Local: Paróquia Nossa Senhora do Lago, QI 3, Lago Norte

Missa de solidariedade aos excluídos
Horário: 10h30
Local: Santuário Nossa Senhora de Fátima, 906 Sul.

Celebrações eucarísticas presididas pelos bispos
Local: as 122 paróquias do DF

Celebração em rito católico oriental maronita
Horário: 19h30
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães

Amanhã
Simpósio teológico e de bioética
Horário: 8h às 13h
Local: Centro de Convenções

Celebração em rito católico oriental armeno
Horário: 10h
Local: Paróquia Nossa Senhora do Lago, QI 3, Lago Norte.

Celebração em rito católico oriental melquita
Horário: 16h30
Local: Paróquia Nossa Senhora do Lago, QI 3, Lago Norte

Santa missa com os jovens, seguida de vigília eucarística
Horário: 19h
Local: Esplanada dos Ministérios

Dia 16 (Domingo)
Laudes solenes do clero
Horário: 8h
Local: Catedral Metropolitana de Brasília

Santa missa de encerramento
Horário: 9h30
Local: Esplanada dos Ministérios

Todos os dias
Feira católica, praça de alimentação e exposição de painéis artísticos
Local: Completo Cultural da República e Centro de Convenções Ulysses Guimarães

FONTE: http://www.correiobraziliense.com.br/

segunda-feira, maio 10, 2010

Mês Mariano - Oitava Noite

Em comemoração aos 10 anos do retorno da Comunidade Carmelita ao estado de Sergipe, a nossa paróquia recebeu a imagem peregrina de 
Nossa Senhora do Carmo vinda de Recife. A Imagem peregrinou os municípios de Lagarto, Itabaiana, Carmopolis,São Cristóvão e Aracaju .

domingo, maio 02, 2010

Mês Mariano

A nossa Paróquia iniciou ontem às 19h, na igreja do Convento São Francisco, a Santa Missa solene, a abertura do mês mariano, com participação dos jovens e da Fraternidade Santa Maria dos Anjos do Eduardo Gomes, a celebração foi presidida pelo pároco Pe. Bernardino.