quinta-feira, julho 30, 2009

FORMAÇÃO:"Namoro saudável, casamento estável."



Contrario ao que a mídia ensina o namoro não e o tempo para iniciar a vida sexual. O sexo tem duas finalidades: unitiva e procriativa, ou seja, unir o casal num ato concreto de amor para que seja gerado o fruto desse sentimento. E, portanto, a igreja não permite outra maneira de gera à vida humana.
No plano de Deus, o sexo é a manifestação do amor de um casal, cujo fruto será um filho (CF. Gn. 17.16).
Na união dos corpos é celebrado profundamente o amor de um pelo outro: a compreensão, o perdão dado, a paciência exercida, o dialogo mantido, as lagrimas derramadas... É a consolidação da aliança (casamento).
Segundo o professor Felipe Aquino, um dos maiores estudiosos da igreja católica, doutorado em teologia e apresentador da TV canção Nova, afirma também que a Igreja ensina que o Ato sexual, para não ser desvirtuado deve estar sempre aberto à geração da vida sem que sejam usados meios artificiais. Sabemos que o ato sexual gera um novo ser humano, este precisa ser acolhido, ter um lar com os pais e, portanto, nem o namoro, nem o noivado possuem estrutura familiar suficiente, ou melhor, não foi firmado um compromisso “até que a morte os separe”. É por isso que o sexo não deve ser vivido no namoro, nem no noivado.
Se eu comer uma maçã, por exemplo, ainda verde, certamente vai causar mal-estar, assim também se eu iniciar a vida sexual antes do casamento, em vez de ter “alegrias” terei problemas. São Paulo diz que o corpo do homem é para a sua esposa... (I Cor 7.4) ele não diz que o corpo do homem é para a sua namorada, nem a mulher é para o seu noivo e sim para o seu marido. Nós jovens Cristãos precisamos entender que se desejamos construir uma família bela em deus, precisamos esperar o casamento para a vida sexual.
Se a mídia, a cultura (incultura) enfim o mundo nos ensina, nos incentiva a avançar o sinal vermelho, nos oferece “a maçã Caramelada” do pecado, vale lembrar que maçã caramelada dá uma dor de barriga...!
“O casamento começa no namoro; logo é importante que seja puro para que o futuro seja feliz”. (prof. Felipe Aquino)
AUTOR: ERIOSVALDO SANTOS FRANÇA

REFLEXÃO:“Senhor dá-nos sempre desse pão”.


“Senhor dá-nos sempre desse pão”.

Naqueles dias, aos redores do mar da Galileia, Jesus viu que uma multidão faminta (em todos os sentidos) o seguia. Com o Milagre da multiplicação dos pães e dos peixes, o desejo do senhor, prefigurado naquela ocasião era, ou melhor, é alimentar a humanidade. É lindo percebe como é grandioso esse desejo, o que Jesus, figura humana do divino amor de Deus não sentiu quando em cafarnaum, alguém pediu-lhe: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”? É esplêndido! As dores da cruz não fizeram cessar o imenso que Nosso Senhor tinha em nos saciar de corpo, alma e espírito, pelo contrario, seu querer transpassou a cruz e nem aquele túmulo de pedra tampouco a morte puderam contê-lo.
E mais uma vez, a humanidade simbolizada naqueles dois discípulos de Emaús insiste: “Fica conosco...” (Lc. 24.29) e Jesus responde antes de voltar ao Pai dizendo: “eis que estarei convosco até o fim!” (Mt.28.20)
A Santa Missa é uma confirmação concreta de Suas últimas palavras, Vê-lo sendo levado pelo padre no cibório a tantas pessoas é o momento mais sublime. Ainda assim, depois de tudo, Jesus encontra a insensibilidade dos homens. Fazendo-se pobre pequenino encerra-se no altar e mesmo, muitas vezes, encontrando indiferença nas pessoas espera cada um de nós, alguém que O receba não simplesmente como pão, mas como o único e verdadeiro alimento que oferece a Vida Eterna.
“Diz aos homens que na hora da Santa Ceia, não podendo conter o fogo que me consome, inventei esta maravilha do Amor que é a Eucaristia. Porque a Eucaristia é a invenção do amor! É por amor às almas que sou prisioneiro na Eucaristia...” (Cf. “Jesus Cristo Conosco na Eucaristia”, pag. 8 e 9).

AUTOR:ERIOSVALDO SANTOS FRANÇA